Diário do Pará Online

Diácono morre em acidente na rodovia PA-150

Um grave acidente de trânsito ocorrido na tarde de anteontem, na rodovia PA-150, culminou na morte do servidor público municipal e diácono da igreja evangélica Assembleia de Deus Wilson Sousa de Oliveira, 56 anos. Mais duas pessoas ficaram feridas em estado grave, a cunhada e a sobrinha de Wilson. As vítimas estavam em uma moto que sofreu impacto de um caminhão Scania.

A tragédia aconteceu na tarde de domingo, por volta das 16h, quando o “Irmão Wilson”, como a vítima era conhecida na cidade, saiu de sua residência, no bairro Industrial, para deixar a cunhada Ivonete e a filha desta, Vamile, de 3 anos, pela rodovia PA-150. As duas pacientes estão internadas no Hospital Regional do Sul do Pará, em Marabá.

Ao sair do bairro e entrar na rodovia, ainda no perímetro urbano da cidade, um cavalinho de uma carreta, com placa da cidade de Aracaju (SE), colidiu violentamente com a moto CG Titan de Wilson, onde estavam os três passageiros.

O motorista do caminhão, não foi identificado pela reportagem. Ele fugiu do local do acidente, talvez porque testemunhas relataram que viram bebida alcoólica na cabine do veículo e o motorista deixou o local para não ser preso em flagrante de acordo com a nova lei de trânsito. A informação, porém, não foi confirmada pela Polícia Civil, que investiga o caso. Até o fechamento desta matéria não havia informações sobre o condutor do veículo pesado.

Pelas características do acidente, deduz-se que o motorista da Scania trafegava em sentido contrário ao da moto e não percebera a aproximação dela. Uma testemunha relatou que o motorista da carreta teria feito uma ultrapassagem e, em seguida, colidiu com a moto.

“Irmão Wilson” exercia o cargo de líder da Mocidade e diácono da igreja Assembleia de Deus, no bairro Novo Horizonte. “A família assembleiana lamenta a perda trágica do irmão em Cristo e a tristeza da família. ‘Irmão Wilson’ era uma pessoa importante para todos nós, levava sua responsabilidade a sério tanto na igreja quanto no seu trabalho, bem como mantinha um respeito de toda sociedade”, disse o pastor-geral da igreja, Nilvado dos Anjos.

Acidente evidencia caos na saúde em Jacundá

A tragédia que deixou um saldo negativo de uma morte e outras duas pessoas feridas mostrou o quanto os serviços de saúde pública necessitam de investimentos. Revoltada com a situação está Suely de Sousa Oliveira, irmã de Wilson. Segundo ela, logo que soube da tragédia, dirigiu-se ao Hospital Municipal de Jacundá, onde Wilson estava estirado na carroceria de uma caminhonete e respirava com dificuldade.

Suely denuncia que pediu ajuda aos profissionais de saúde do hospital. “Ninguém veio socorrê-lo. Corri numa sala de emergência e encontrei um médico, que não fez nada por nós”, denunciou.

Enquanto isso, uma multidão se aglomerava na frente do hospital e chegou a hostilizar a vice-prefeita Maria de Jesus, que já exerceu o cargo de secretária de Saúde de Jacundá, quando esta chegou ao hospital. Os populares questionavam a precariedade do único estabelecimento de saúde público do município. Por coincidência, no momento estava sendo rebocada uma ambulância do hospital que estava quebrada.

A precariedade no atendimento às outras vítimas pode ser vista no registro fotográfico feito pelo DIÁRIO. Ivonete e a filha Vamile foram transferidas do HMJ em caminhonetes, sem qualquer assistência média de emergência. “Não tinha oxigênio para os pacientes”, desabafa Suely.

A reportagem foi ao Hospital Municipal de Jacundá na manhã de ontem e um funcionário informou que somente o diretor poderia falar sobre o assunto. Porém, o mesmo não se encontrava na unidade de saúde. (Diário do Pará)